domingo, 21 de maio de 2017

Grãos

As decepções que sofremos durante a vida nos fazem parecer como se tivéssemos sido triturados ao ponto de nos tornarmos grãos de areia, desfeitos pela tristeza, anulando nossa esperança e nossa alegria. Leva tempo mas aos poucos vamos nos refazendo, reconstituindo grão por grão até sermos novamente pessoas capazes de até mesmo ser felizes.
Claro que essa reconstrução além de lenta, vem com algumas cicatrizes, fabricando novas defesas e nos fazendo sentir uma dor ainda que ela mesmo alvo de nossa constante superação, continua existindo ainda que como um lembrete dos dias ruins pelos quais passamos.
Se refazer não é fácil, e a verdade é que nunca somos as mesmas pessoas que éramos antes das tempestades,
mas isso não significa que seja o fim, ou que devamos desistir de tudo e nos entregar a tristeza.
Cada um tem o seu tempo. Devemos respeitar esse tempo e nos deixar cicatrizar.
A dor passa.
E essas lembranças ruins devem ser apenas isso; lembranças de nossos erros e dos erros que cometeram conosco. Aprendamos com eles.
E deixemos nos entregar pela alegria de estarmos vivos, amar e sermos amados.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Prevenção Ao Nó na Garganta.

Às vezes você dá o melhor de si, e mesmo assim é constantemente ignorado. Você abraça causas que considera justas, mas não tem apoio ou mesmo aprovação dos seus amigos. As vezes você vê seus amigos apoiando causas contrárias. Os vê apoiando pessoas opostas ao que você pensa e não fazem nada para te ajudar. Às vezes você é acusado de coisas que não fez e sua reputação fica prejudicada. E o silêncio das pessoas que gosta machuca muito. 

Por que comete sempre o erro de esperar tanto delas?

Mas,
não se deixe tomar por esses sentimentos de raiva, tristeza e frustração,
e não se deixe transformar numa pessoa pior.

Continue dando o melhor de si, mesmo que seja ignorado.
Abrace as causas que considera justas, mesmo que ninguém mais te apoie.
Não se entristeça ao ver seus amigos percorrendo caminhos contrários, com pessoas avessas ao que você pensa. Respeite a opinião adversa.
Quando te acusarem de algo que você não fez, prove sua inocência da melhor forma, mas se isso não for possível por qualquer motivo, faça as pazes com a sua consciência. É a ela que você deve prestar contas, não aos difamadores.
E se o silêncio dos amigos for muito grande, formule você a primeira frase da conversa. Se isso não resolver, considere que talvez esteja tentando conversar com as pessoas erradas.

Não espere tanto das pessoas.

Eu sei que machuca.

Mas continue dando o melhor de si.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Seja essa pessoa

Se a escuridão vier até você, não tente fugir. 
Brilhe.

Como insetos em volta da lâmpada

Ódio
Ódio eu sinto de mim por me deixar enganar, me deixar seduzir pelas vão palavras doces e olhares insinuantes, me fazendo acreditar que era especial e não só um brinquedinho nesse jogo sujo da conquista. Essa guerra interna que algumas pessoas fracas de espírito usam para enaltecer o próprio ego e estraçalhar os sentimentos dos infelizes que cruzam o seu caminho.
Ódio dessas pessoas covardes que se escondem atrás de seus próprios algozes, incapazes de romper as amarras que fazem deles marionetes daqueles que os odeiam, mendigando por restos de aceitação.
Ódio desses infelizes que irão amargar uma vida de frustrações, vivendo como marginais nas sombras, nunca tendo a mínima noção dos prazeres de ser quem se é.
Ódio. Pena. Desprezo. Indiferença.
Quem me dera esquecer que esses arremedos de seres humanos cruzaram o meu caminho.

domingo, 12 de março de 2017

Paradoxo II

Não se pode mudar aquilo que está predestinado.
A não ser que você esteja predestinado a isso.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Paradoxo

Nós somos capazes de criar a realidade à nossa volta, ou as coisas são como são?
Ou as coisas são como são porque criamos essa realidade?

quarta-feira, 8 de março de 2017

Agentes secretos

Hoje eu fui visitado por duas pessoas que não conheço,
um homem e uma mulher,
em sonho.
Foi a bordo de um navio.
Nós fizemos amor,
e explodimos uma bomba.
Depois nos despedimos.
Até agora não sei quem eles eram.
Acordei sentindo sua falta.

domingo, 5 de março de 2017

Escada em Espiral

Não fazer nada é desperdiçar a oportunidade.
Fazer tudo errado é desperdiçar a oportunidade.
Com o tempo adquirimos a sabedoria para equilibrar o momento certo com a ação precisa.
Enquanto esse dia não chega, seguimos pelos degraus feitos de erros.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

A Porta Cinza

Havia uma porta,
cinza, no fim de um corredor escuro
e úmido,
tracejada por marcas de mofo,
com o cheiro áspero das lembranças guardadas
e pouco revisitadas.

A porta era de um cinza desbotado,
como se o simples fato de ser cinza por si só,
não fosse já enfadonho o bastante.
Tudo ao redor era monótono, e pelas janelas víamos o desgaste do tempo
corroendo nossas esperanças.

Às vezes a porta rangia,
e era um gemido sofrido, quase um pedido de ajuda,
ou um convite.
Entretanto estávamos embrenhados em toneladas de afazeres inúteis,
atolados em números afiados raspando nossa pele,
nos fazendo sangrar e ter pesadelos,
mas mesmo assim permanecíamos,
fiéis na sua promessa de salvação.

Mas os números não nos salvaram, e
a cada dia nos sufocávamos mais e mais nesse
turbilhão de obrigações sem sentido,
marchando rumo ao nada,
perdidos numa escuridão a qual nossos olhos
já estavam acostumados.

Um dia eu olhei pela janela,
o mundo parecia impregnado de um azul mórbido,
retirado de algum local submarino inóspito.
E não havia mais quase ninguém
que pudesse preencher o ambiente com sorrisos.

Na rua eu vi definhando
já quase sem forças, a última esperança,
corroída pela falta de fé.

Houve um relâmpago. e a chuva reclamou a Terra.
As luzes piscaram e senti uma eletricidade diferente percorrendo meu corpo.
(Estava eu ainda vivo?)
Ouvi um gemido, que quase passou despercebido,
pois a tempestade se fez onipresente do lado de fora.
Novo clarão. Luzes indo e voltando.
E fomos envolvidos pelas trevas.

A velha porta ranzinza gemeu mais alto, implorando.
O ventou uivou com ameças,
e uma voz de trovão parecia querer me fazer em pedaços.
Tateei a parede anestesiado.
O chão havia desaparecido.
(Era aquele o grande momento?)

Do lado de fora, contra a tempestade, a esperança ainda resistia.
Meus dedos tocaram a porta levemente,
ela estava entreaberta.
Mesmo às cegas, senti os olhares de protesto e resignação dos meus irmãos.
Alguma coisa acontecia com eles também.

No escuro, a porta cinza era apenas uma porta.
(Era ela que guardava todas as dores?)

Eu atravessei.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Morte


A morte é única certeza.  

E o que vem depois dela, é esse astuto mistério.

Logo, tudo o que importa, são todos os fatos que ocorrem no segundo imediatamente anterior ao da nossa morte para trás.

A vida é contada em reverso. Nós somos a soma de todos os fatores que nos levaram ao dia da nossa morte.  Cada erro e acerto, cada momento desfrutado e desperdiçado.

E não acho que devemos temer a morte, mas sim, me apavora a possibilidade de não viver a vida.

A lagarta troca de pele várias vezes antes de conjurar seu casulo, onde sofrerá a metamorfose. Então ela se liberta, e ganha as brisas suaves para que a vida lhe corteje até que suas forças se esvaiam e ela caia ao solo, onde alimentará outros insetos para retornar ao início do ciclo...

Falar sobre o dia final de nossa existência terrena pode parecer mórbido e provocar desconforto na maioria das pessoas. Geralmente não queremos pensar muito sobre isso, estamos ocupados demais deixando a vida passar pelos nossos dedos para nos preocupar com o fato de que um dia, de modo incontestável e com força irrefreável, ela acabará.

Todas as coisas chegam ao fim. Afirmar algo tão óbvio não deveria ser necessário, mas às vezes é preciso que nos lembremos... e nesses momentos, onde nos damos conta de que a vida como a conhecemos não é infinita, podemos então considerar a possibilidade de quem sabe, talvez, aproveitá-la... tentar nos dar o melhor de nós mesmos... fazer todos esses momentos contados em ordem decrescente ter valido à pena...

E nos dar a chance de sermos felizes.

O que você tem feito ultimamente para ser feliz?


Não seria fantástico parar para pensar nisso às vezes... e começar a fazer algo.... 

...sei lá, agora?

sábado, 10 de dezembro de 2016

Liberdade de Expressão

Sempre tento acertar mas eu cometo erros igual a todo mundo, sou humano. Esses erros acontecem principalmente quando sou mal treinado e/ou recebo orientações imprecisas. Mas nunca vou convencer aos poderosos que a culpa é deles! Nunca descerão do seu pedestal de arrogância...
Cortar pessoal, cortar gastos, e claro, cortar qualidade! Motivar os que ficam? NUNCA.
Sempre o pretexto da crise. Mas e a crise que os assalariados vivem?
Falta bom senso, falta justiça, falta coração.
Os graúdos vão sempre ficando mais graúdos, e salve-se quem puder.
Sonho com um dia de direitos e oportunidades iguais para todos e todas, onde não só os lucros prevaleçam mas também o fator HUMANO!

Não se intimidem.
A mudança começa em cada um de nós.

domingo, 18 de setembro de 2016

PERSONA

Eu vou continuar sendo eu mesmo;
ainda que aos olhos dos outros seja estranho, esquisito...

E se isso faz de mim algo não atraente para ti,paciência.

Não sei não ser eu mesmo.

Parabéns a você que capaz de tal proeza.

(Ou não)


OUSE

Ignore o molde coletivo.

Seja diferente.

Seja espetacular.

JANUS

São tantas coisas contra,
e a favor.
Sentimentos tortos,
e retos
Relacionamentos conflituosos,
e com tanta harmonia.

Tanta humanidade...

Engraçado como a palavra "humanidade" pode ao mesmo tempo sugerir ofensa e elogio.

Porque os humanos são capazes de tantas coisas lindas e também cada barbárie...

ESPERANÇA

Quando a vida parecer não ter mesmo nenhum sentido e você sentir que perdeu todos os motivos para seguir, lembre que a sua felicidade não depende dos outros; e or mais que doa, d´pi, busque-a dentro de si, cave bem fundo, não desista, continue.
Ela vai estar lá.
(Tem que estar).


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Aleluia

O que trago em mim é a leveza resultante dos pesos que abandonei.
Não me convenço mais da necessidade de ter que convencer ninguém.

Tenho uma nova amiga, seu nome é paz. Deixei que ela fizesse morada em meu espírito.
Mas as vezes sua música sibila em desarmonia, pois os sons do mundo precisam disputar volume.

Entretanto sua harmonia logo se restabelece.
E logo estamos bem, pois nos permitirmos estar bem.

Tudo está perdoado.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Revelação

Uma raiz surgiu na pedra dura.

Através de uma mínima fissura ela então se espreguiçou assustada, e sentiu que em sua volta só havia solidão.

Mas a raiz subiu mais um pouquinho guiada por uma estrela que ao longe luzia.

De onde surgiu a raiz ou a fissura, não se sabe.

Mas seus galhinhos se abriram, abraçando o vento,
e os passarinhos vieram beijá-la.

Surgiram então as primeiras folhas fazendo sombras, e outras logo se juntaram a ela.

E a dura pedra se cobriu com um gentil tapete verde onde outros galhinhos surgiram e se entrelaçaram apaixonados.

A pequena raiz não se via mais sozinha.


Eis o mistério da vida.

domingo, 12 de junho de 2016

I will not resist

Only when I dream,
things between us are right.
But please, stay away,
I will not resist you.

To forget you I spent all my energy,
with anything else distract me from your memory.
I give it my all and do the impossible to divert attention ...

For I will not resist you,
So do not look at me, I do not want to hurt me,
Please do not smile,
And do not be nice to me.

I will not resist you.

But I keep dreaming ...

quarta-feira, 25 de maio de 2016

E alheias a isso, as pessoas continuam indo embora.

Já tive (tenho) sentimentos que precisei (preciso) enterrar,
coberto pelo meu cansaço eu sigo fingindo estar tudo bem,
afastando a tristeza e a alegria,
evitando a dor abrindo mão do prazer.
Ficando assim vazio,
Sem rumo, sem sentido,
sem nada.

domingo, 22 de maio de 2016

Definição

Se o sentimento for verdadeiro, ninguém vai se machucar de modo irremediável, pois a força de um será a força do outro, e juntos serão fortes como nunca seriam sozinhos.

Amar é se tornar alguém melhor para aquele que se ama. Mas principalmente, tornar-se alguém melhor para si mesmo.

Amar é somar, é fechamento de ideias, e mesmo se houver divergência, apoiar, respeitar, retribuir. Ser cúmplice, parceiro, querer apenas fazer o outro estar bem, proteger, se doar, se expor, assumir os erros, perdoar.

É entender as necessidades do outro, respeitar seu espaço e nunca ferir seus princípios.

É ver tudo errado e querer fazer tudo certo com todas as forças.

É fazer alguém feliz, ao mesmo tempo que essa pessoa também te faz feliz, não por obrigação, não como moeda de troca. Mas pelo simples fato de que a felicidade do outro é o motivo da nossa própria.

É chegar nesse parágrafo e não saber explicar a intensidade do sentimento e todas as coisas que você faria para viver esse sentimento...

É conviver com defeitos e aprender a lidar com eles.É cair em tentação, pois somos humanos, mas lembrar de quem realmente nos faz feliz.

É pecar e tentar consertar seus erros com o coração em frangalhos. É tentar de novo. Errar muito e acertar às vezes.

É querer às vezes nunca ter amado, e na solidão de um quarto escuro chorar por falta de um amor...

Amar é sofrer por amor. E saber que nada na vida vale mais à pena do que saltar nesse abismo.

É eternizar o melhor de nós e compartilhar nossa aprimorada versão com quem amamos.

Os relacionamentos às vezes acabam. O amor nem sempre.

Pobres de nós, humanos, para sempre sujeitos aos caprichos dos amor...

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Depois do Fim

Antes do fim…
Há de se perambular pelos reinos ocultos e por entre as névoas de pensamentos e descriações, visitar castelos em ruínas, e sorver seus escritos desesperados. Vencer o insuportável medo e trafegar pelos seus nuances de branco cristalino, cinza esfumaçado e preto enluarado.
Que existam pesadelos para nos lembrar de que o mundo é feito de partes iguais e equilibradas… Que venham as grandes ondas de destruição e amargura, e que nos afoguemos em decepção; pois é preciso crescer, é preciso aprender.
Haverá de se construir montantes de intrínsecos delírios, frágeis em sua estrutura e rígidos em sua breve existência, sendo esquecidos em seguida, mas reforçando os alicerces da realidade verdadeira, aquela que só existe quando se pensa nela.
Haveremos de visitar os mundos inventados, ler os poemas jamais escritos, trilhar as estradas jamais construídas… destruir-nos-emos e renasceremos revigorados… para percebermos, pelo menos uma vez, que a realidade nem sempre está acordada.
Há de se ter a percepção de que o Sonho não é um mundo a parte; ele é uma extensão do dia e da noite, ainda que não seja sólido, mas ainda assim, detentor da força bruta necessária para mover as estrelas.
E pouco antes do fim, sentir o abraço e beijo calorosos de uma velha amiga, sussurrando segredos em nossos ouvidos, fazendo-nos saber que cumprimos nosso objetivo antes de partir, mesmo que esse objetivo fosse deixar coisas incompletas para outras pessoas terminarem…
E que seu abraço e beijo sejam o bálsamo do guerreiro cansado, as ferramentas que movem a engrenagem da vida.
O fim da dor e da peleja. Que seja apenas alívio.
E quem teremos sido? Maus ou bons? Amantes ou covardes?
Um dia descobriremos a resposta e então haveremos todos de dormir, acalentados por seu toque frio e suave.
Ò Morte piedosa, me guiando pela trilha infinita da densa névoa que existe além…
E depois do fim, quem sabe o quanto ainda há de se sonhar?

domingo, 1 de maio de 2016

domingo, 24 de abril de 2016

Meu posicionamento politico

Sim, tenho um posicionamento político bem embasado, tenho políticos que apoio e outros que desprezo. Mas de que adianta discutir minhas convicções em redes sociais, onde uma onda crescente de ódio parece tomar conta de tudo e todos, numa total guerra de opiniões, uma necessidade quase patológica de convencer aos outros de que o seu lado é que está certo?Eu prefiro usar as redes sociais para compartilhar músicas, vídeos engraçados, piadas, meus textos sobre cinema, quadrinhos e entretenimento. Conversar (de forma sadia) com meus amigos, rir, marcar encontros com a galera, e até jogar conversa fora, que seja! Posso usar esse espaço para participar de campanhas sociais em prol de causas importantes desde que não entre em conflito com questões reacionários proferidas por intolerantes sem argumento.E é exatamente por não não terem argumentos convincentes que não me estimulas ao bom debate.Não, não estou fugindo nem me escondendo, apenas não quero me desgastar e me aborrecer com discussões intermináveis que não vão levar a nada.Vivemos numa democracia, e espero sinceramente que continuemos assim. Mas é óbvio que não vou me calar diante de certas afirmações aberrantes que pregam o preconceito, a desigualdade, e outras publicações sem nenhum fundamento histórico que alguns insistem em evocar e aplicar na nossa realidade atual sem nenhuma preocupação com as consequências a longo prazo. Eu posso me manifestar em casos extremos, mas não sou militante, não quero convencer ninguém de nada, assim como não quero ser convencido. A discussão política saudável deixou de existir há muito tempo, e hoje o que vemos é um grande circo, cheio de rancor, ódio e vingança.Eu não tenho heróis nem vilões, não idolatro e nem odeio seres humanos que exercem cargos políticos. Eu defendo conceitos, tenho meus ideias e luto pelos direitos que acredito serem justos. E não aceito retrocessos. O país passa por um momento conturbado e obviamente não existe a opção de ignorar tudo como se nada estivesse acontecendo, mas ficarmos nos digladiando não vai mudar nada, ao contrário, vamos entrar numa espécie de “guerra civil virtual”, que contribui em muito pouco ou quase nada para o panorama geral da questão. Respeito quem pensa diferente, e felizmente existem tantas diferenças a ser respeitadas. Esse respeito deve ser mútuo, e dentro dessas divergências de opiniões, haverá de surgir consenso e tolerância, e não inimizades eternas.Sim, sou politizado, mas não me vejo obrigado a estampar toda e cada opinião que tenho; na verdade nem mesmo me sinto obrigado a sequer ter opinião sobre coisa alguma, muito embora, não seja da minha índole me abster quando se trata de assuntos que envolvem questões que afetam diretamente o nosso dia a dia, tal como a política. Quem me conhece bem provavelmente conhece meus posicionamentos, sabe do que sou a favor e do que eu sou contra. (note que eu escrevi “do que” e não “ de quem” - repito, minha luta é defender conceitos e combater retrocessos e não embarcar numa cruzada pessoal contra qualquer indivíduo que seja. E sim, “minha luta”, que não deixou de existir, apenas se tornou mais discreta e menos provocativa). Eu poderia facilmente expor aqui minhas convicções políticas, e acreditem, o faria com todo embasamento, e argumentos que me fazem ter essas convicções. Mas sei que mesmo assim seria atacado pelas opiniões contrárias, gerando discussões acaloradas e inúteis. E sinceramente? Estou cansado.De tanto ódio, e tantas provocações e tanta intolerância, muitas vezes vindas diretamente de pessoas, de amigos, que tenho em alta conta. Confesso que comecei a entrar nessa cruzada, mas mudei de ideia. Sim, e não tenho nenhuma vergonha, não sou covarde, apenas tenho a capacidade de evoluir, admitir meus erros e tentar melhorar. Como diria Neil deGrasse Tyson, não há vergonha nenhuma em admitir não saber algo. Mas eu teria vergonha em fingir que sei de tudo. E toda história tem dois lados, dois pontos de vista, generalizar questões políticas e tomar um partido sem analisar todos os fatos é cair numa armadilha muito perigosa. Vamos nos informar mais. Vamos relembrar o passado, revisitar a história e assim, tentar não cometer os mesmos erros. E vamos respeitar mais quem pensa diferente. Citando Sidarta Gautama, vulgo Buda: “O ódio não destrói o ódio. Só o amor destrói o ódio. Sê-de como o sândalo que perfuma o machado que feriu”.Independente da sua religião, gênero, raça, orientação sexual, convicção política, se você diz “Bolacha” ou “Biscoito”, se é #TeamCaptain ou #TeamIronMan... Lute pelos seus ideais, mas não se deixe contaminar, não perca sua essência, não deixe de ser que você realmente é, quem você realmente quer ser. Não perca a paz no seu coração. Obrigado pela atenção e grande abraço a todos!

domingo, 10 de abril de 2016

Desconstrução

Mas quando a tristeza é demais, só a poesia salva, só a poesia desfaz o mal,  e só a poesia nos desfaz para a gente se refazer

domingo, 6 de março de 2016

LAR É ONDE MORA O CORAÇÃO. FAMÍLIA É ONDE HABITA O AMOR.


Depender de outra pessoa para se sentir bem é um dos vícios que remontam desde os primórdios da humanidade. Transferir para seu companheiro ou companheira toda a responsabilidade de nossa própria felicidade, como se ele ou ela, outro ser humano falho e repleto de suas próprias inseguranças, fosse capaz de suprir a gigantesca idealização de ser a criatura especial do universo, nosso "chose one", aquele que nos "completará", nos livrará de todos os problemas, nos saciará de prazer, nos cobrirá com seu amor e nos salvará de nós mesmos. E às vezes esquecemos que essa pessoa em suas óbvias falhas também espera o mesmo de nós, querem que sejamos aquilo que fomos idealizados por elas.

Não deixando de mencionar que ninguém precisa necessariamente estar com alguém para ser feliz. Ame-se, e ser você, já te basta.

A amizade, o amor, o respeito e a cumplicidade são forjadas no decorrer dos anos, e o amor o mantém como um elo infinito assumindo inúmeras características no decorrer do tempo. Os amantes se tornam amigos. Os amigos se tornam irmãos. Isso não quer dizer que um não daria a vida pelo outro se necessário fosse. A amor nunca morre de fato, ele penas se veste com camadas de sentimentos diversos, evoluindo da paixão desenfreada, aquela que quer "sangue e corações arruinados", até o sereno amor, onde um olhar é capaz de ler a alma do outro, e em nome desse amor, envolvido em respeito, carinho e admiração, nos oferecemos ao sacrifício de bom grado, ignoramos novas possibilidades que se apresentam e permaneceremos firmes e fiéis, pois nos entregar ao desejo significaria machucar o coração puro de alguém que sempre esteve ao seu lado, e essa culpa poderia corroer uma alma até os confins da loucura nos lançando em irremediável infelicidade.

A amizade, o amor, o respeito e a cumplicidade são forjadas no decorrer dos anos, e o amor o mantém como um elo infinito assumindo inúmeras características no decorrer do tempo. Os amantes se tornam amigos. Os amigos se tornam irmãos. Isso não quer dizer que um não daria a vida pelo outro se necessário fosse. A amor nunca morre de fato, ele penas se veste com camadas de sentimentos diversos, evoluindo da paixão desenfreada, aquela que quer "sangue e corações arruinados", até o sereno amor, onde um olhar é capaz de ler a alma do outro, e em nome desse amor, envolvido em respeito, carinho e admiração, nos oferecemos ao sacrifício de bom grado, ignoramos novas possibilidades que se apresentam e permaneceremos firmes e fiéis, pois nos entregar ao desejo significaria machucar o coração puro de alguém que sempre esteve ao seu lado, e essa culpa poderia corroer uma alma até os confins da loucura nos lançando em irremediável infelicidade.

Mas não julgo aos que recaem no erro de sucumbir ao desejo.

Por outro lado, e se três ou mais pessoas adultas decidirem de forma consentida ficarem juntas, vivendo romanticamente? Por que o amor só pode necessariamente contemplar dois seres, se nossa capacidade de amar é muito maior? Quer dizer, se três ou mais pessoas se amam, devem escolher apenas uma, "aquela que ama mais"? Quanto sofrimento isso vem acarretando no mundo por conta de regras humanas sem sentido que nada dizem respeito ao coração?

Por outro lado, e se três ou mais pessoas adultas decidirem de forma consentida ficarem juntas, vivendo romanticamente? Por que o amor só pode necessariamente contemplar dois seres, se nossa capacidade de amar é muito maior? Quer dizer, se três ou mais pessoas se amam, devem escolher apenas uma, "aquela que ama mais"? Quanto sofrimento isso vem acarretando no mundo por conta de regras humanas sem sentido que nada dizem respeito ao coração? O amor é tão abrangente que não é apenas amor. É poliamor! 

Vocês podem ocultar isso de si mesmos nos recônditos mais sombrios de seus corações, mas trata-se de uma verdade inegável.
O que nos leva a grande questão que assola grande parte da humanidade: Abrir mão de um amor sereno, construído em prol de anos de dedicação e conquistas vale a aventura de embarcar numa nova e ardente relação? E se essa pessoa simplesmente não aceita o fato de que de dentro dos nossos corações, surgem sentimentos plurais?
O que nos leva a grande questão que assola grande parte da humanidade: Abrir mão de um amor sereno, construído em prol de anos de dedicação e conquistas vale a aventura de embarcar numa nova e ardente relação? E se essa pessoa simplesmente não aceita o fato de que de dentro dos nossos corações, surgem sentimentos plurais?

Levando-se sempre em conta o risco de que tudo termine em ruínas e solidão...

O corpo humano, dominado por instintos animais primitivos clama por essa mudança.. partindo em direção à lua cheia e sorvendo os prazeres da noite .
O corpo humano, dominado por instintos animais primitivos clama por essa mudança.. partindo em direção à lua cheia e sorvendo os prazeres da noite .
Mas o lado civilizado e consciente do programa inserido em nossas mentes desde crianças diz que isso sequer destila a possibilidade de abandonar a vida encaixada em nossas peças simétricas de Tetris, absortos pela consciência e a culpa sobre o injusto e cruel sofrimento que recairia sobre um coração inocente ainda não inserido nessa nova linha de pensamento e que nada mais fez além de dividir o seu amor.

Mas o lado civilizado e consciente do programa inserido em nossas mentes desde crianças diz que isso sequer destila a possibilidade de abandonar a vida encaixada em nossas peças simétricas de Tetris, absortos pela consciência e a culpa sobre o injusto e cruel sofrimento que recairia sobre um coração inocente ainda não inserido nessa nova linha de pensamento e que nada mais fez além de dividir o seu amor. Então que conflito é esse que se abate, pressionando o peito, distorcendo a mente, deturpando os sonhos, atiçando a líbido, fazendo-nos nos acorrentar numa jaula, tal qual um lobisomem em noite de lua cheia?

Há muito tempo foi decidido que o casamento deveria ser constituído entre homens e mulheres, preferencialmente da mesma classe social e etnia. Foi dito também que o matrimônio deveria se eterno, até que a morte os separe, pois essa era a forma mais correta da sociedade padronizar as famílias de modo a garantir direitos de união de bens, patrimônios e a consolidação de famílias dispostas a se manter no poder.
Há muito tempo foi decidido que o casamento deveria ser constituído entre homens e mulheres, preferencialmente da mesma classe social e etnia. Foi dito também que o matrimônio deveria se eterno, até que a morte os separe, pois essa era a forma mais correta da sociedade padronizar as famílias de modo a garantir direitos de união de bens, patrimônios e a consolidação de famílias dispostas a se manter no poder. 

Mas o coração trafega alheio as fúteis regras instituídas pelos homens, e desde os primórdios, humanos negros, brancos, índios, asiáticos, ruivos, mestiços ou de qualquer etnia, classe social, gênero ou orientação sexual, portadores de necessidades especiais, gordos, magros, atletas, ou de qualquer religião ou falta dela, e em toda sua diversidade enfim... não assinaram esse contrato criado pela mente limitada de alguns homens; eles apenas seguiram sua pura natureza, simplesmente se encontram e despertaram a chama do amor em seus corações...
Porque afinal de contas, o que a grande maioria das religiões prega não é algo tão difícil de se entender. E mesmo para os que são ateus, serve no mínimo com bom senso básico:
Porque afinal de contas, o que a grande maioria das religiões prega não é algo tão difícil de se entender. E mesmo para os que são ateus, serve no mínimo com bom senso básico:

...e foram punidos por isso, agredidos, torturados, mortos... forçados a se esconder, forçados a fingir algo que não eram, condenados a ser infelizes... desperdiçando uma vida plena, jogando fora momentos de felicidade que não poderão ser recuperados, a menos que se rebelem, se revelem e paguem o preço, corajosamente declarando ao mundo sua existência e seu direito a felicidade. A interpretação da Bíblia sobre certos assuntos é esbravejada fora de contexto e de forma tendenciosa... quando se esquecem que a principal mensagem é amar uns outros. 

VAMOS AMAR UNS AOS OUTROS!                                                                                                                     

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Discurso de despedida

Não me agradeça por tudo que já te fiz,
Também não vou te agradecer,
O que é feito por amizade não carece de "obrigados".
Mas o bem que é feito não deve ser esquecido.
Não espero reconhecimento,
Nem quero nada em troca.
O que é feito por amizade não carece de pagamento.
Não me voltarei contra ti, nem denigrirei teu nome
A nossa eternidade já passou,
E foi perfeita em sua completude
O que nos resta agora é esquecimento e lembrança
Recordações de tudo o que foi
E amnésia de tudo o que deixou de ser
Não tenho mágoa nem rancor,
Apenas sentimentos leves me acompanham
Vamos mantê-los assim,
Sem o peso das palavras ditas e das ações malditas
Sem arrependimentos, apenas evolução,
Tenha uma boa vida.
Adeus


sábado, 30 de janeiro de 2016

Poeminha Quântico

Eu sinto saudades dessa linha do tempo que não aconteceu,
Do salto quântico que não se concretizou,
Da nossa felicidade apagada da realidade,
Da Terra paralela onde estamos e não estamos juntos,
(tal qual teorizou Schrödinger)
Dessa história nunca contada do nosso amor,
que em algum nível ainda resiste,
nem que seja em sonho,
outra vida,
ou pura ficção.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Vício

Paixão é veneno,
Alquimia maldita,
Servida em taça entorpecente,
Torpe, envolvente,
Toxina viciante,
Sedução e insanidade.

Paixão é se atirar no fogo,
É querer queimar até os ossos,
É se entregar ao abismo,
Paixão é o instinto primitivo.

Paixão é acelerar a vida consumindo sessenta anos em sessenta minutos,
E morrer satisfeito sem pensar no quanto foi desperdiçado.

Paixão é a droga mais antiga do homem,
É o vício do qual ele ainda não se libertou.

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Poesia

Poesia para desorientar,
eu que não sou poeta,
e tão pouco lúcido,
por isso mesmo me atrevo.

Para entortar,
sem métrica, sem rima,
assim mesmo, sentes?

Para entorpecer,
desgastar os sentidos,
jorrar o mau agouro,
e esvaziar o vazio.

Para deslindar,
esfregar a verdade nas nossas caras,
sujar nossas mãos de barro,
e ralar nossos joelhos no asfalto.

Para um triste ser,
desentristecer,
no âmago vago da vida,
vagar sem rumo,
e se achar no ato de se perder.

Para nos consolar,
dos sentimentos profundos,
que corrompem, desviam,
vastos a nos abraçar.

Para exorcizar,
o demônio que somos em nós,
e iluminar o que sobrar.

Para libertar,
mostrar o caminho,
mudar a mente,
e envenenar o perverso coração.

Para me dizer,
que a dor existe,
ela faz de mim o que preciso ser,
para ter forças para lutar.

Para quem não sabe da poesia.
mas sente que algo falta,
que busca o que o impulso ordena,
que se entrega aos prazeres,
que se oferece ao sacrifício.

Para sofrer,
sofrer o não sofrer,
entender os nuances da angústia,
embriagar-se de seus devaneios,
e recomeçar.

Para sangrar,
rasgar a carne,
estilhaçar a alma,
e transcender,
e transgredir.

Para morrer,
Mil mortes poéticas,
desamores perdidos,
escárnio e sarjeta.

Para viver.
Infinitas vidas poéticas,
Amores em vão,
luxúria e contentamento.

Para desanuviar
acalentar o tormento,
procurar uma resposta,
tentar sobreviver.

Poesia.


domingo, 25 de outubro de 2015

A carne do desejo

Como se mata o desejo
Enraizado no peito,
Pulsando em delírio?

Teremos auxílio?

Desfaz-se o estrago
Do gosto causado,
Por tal malefício?

É o que trago comigo?

Caberá efusivo
Se de dentro de mim,
Espremer esse anseio

E retorcer?

E torcer pra passar
E passar sem sofrer,
Saindo ileso

Desatados os nós?

E quem seremos nós,
Amarrados a vontade
De estarmos sós?

Eles, eu e vós.

Ficaremos à vontade
Gozaremos da vaidade
Com o sentimento atroz?

Lidarei com o anseio?

Se tudo é como vejo,
Me cabe o receio,
Do olhar alheio.

Hipocrisia em nosso meio.

Amargo coração
E o que é o desejo
Senão destruição?

sábado, 24 de outubro de 2015

Anjo, anjo.

Anjo ou fantasma,
A quem você assombra agora,
longe de mim?
Ou ficou remoendo seus pecados?
Por que não veio pecar comigo,
Como já fizemos?

Eu provei do fruto proibido,
teu beijo.
Pecado e santidade.
Dor e deleite,
Dúvida e certeza.
Para sempre e nunca mais.

Sentimento inconsequente que me faz feliz,
vivo agora e penso depois...
Ilusão, delírio, loucura.
É o que queremos, é o que nos resta.

Você só existe nas minhas lembranças ò Anjo?
Maldito Fantasma que me assombra,
Que não me deixa só,
Nem quando me deixa só.

Pois só eu nunca fico,
Enquanto pois assombro,
O pensamento me leva a ti.

Maldito fantasma,
Anjo bendito,
Que eu tanto, tanto quero,
Tanto quanto queria não querer.

Fantasma ou Anjo,
A quem você inspira agora,
perto de mim?
Ou ficou exaltando suas virtudes?
Por que não veio ser virtuoso comigo,
Como já fizeste?



segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Ah, o Mar!


Amo-te! Não há mais jeito.
Mas quero amar-te ameno,
Mar sereno.
Não amargar amor,
mar revolto,
afogado em mágoa.
Eu quero a beira da praia,
corpo moreno,
areia quente,
lábio sedento.
Amar o amor,
o amor e o mar.

sábado, 19 de setembro de 2015

O Labirinto dos Sonhos

Preso em um labirinto de sonhos,
de infinitos portais de desenganos,
e saídas ilusórias,
eu sigo, imaginando um final feliz,
onde na verdade o beco é sem saída.

Caminhando em círculos,
sob o aroma venenoso das flores mais belas,
sem saber do perigo,
perdido ao achar que me encontrara.

Mas então, num mágico momento,
um segundo de lucidez me atinge,
e vejo abismado o quanto estava errado,
e tanto me doei em vão,
sem saber que atrás daquela névoa não havia paraíso,
não havia cachoeiras nem unicórnios.

Não havia nada.

Cercado pelas ruínas da realidade a se destroçar à minha volta,
mas abençoado pela dádiva da desilusão,
um lampejo de luz me mostra o caminho.

E alquebrado eu sigo,
o corpo pesado e a alma fragmentada,
desconstruindo todo o futuro planejado,
obliterando todas a aventuras que estariam por vir,
eu sigo sozinho.

Seco de lágrimas, as quais sou incapaz de verter,
mas inundado em mágoa a qual me sufoca impiedosa.

A verdade me envolve e me abraça,
ela não é gentil.
Mas sua clareza me livra do labirinto dos sonhos,
onde perdido eu vaguei por tanto tempo.

O mundo é o que ele é,
e não aquilo que nós queremos que ele seja.
Não importa o quanto queiramos,
Não importa quantos labirintos ilusórios levantemos em nossas mentes.

Um dia o torpor se dissipa,
e a verdade prevalece.
O sonho se torna uma lembrança triste,
a saudade do que nunca aconteceu.

Mas ainda que contrária à nossa vontade,
melhor que sigamos pela estrada da verdade,
e aprendamos a lidar com seus revezes,
do que cambalear às cegas, iludidos,
tateando com vã esperança,
os muros ásperos e descoloridos,

do infrutífero Labirinto dos Sonhos.

Choro

Será que se eu chorasse,
a dor passaria mais rápido?
Será que se eu não choro,
é porque não tem tanta importância,
ou simplesmente sou eu,
que sou incapaz de chorar?


Funeral

Matar aquilo que mais se ama com as próprias mãos,
sentir sua existência definhar, destruir de forma definitiva,
sem chance de retorno.

Assim é a sensação
de desistir de um sentimento,
e esquecer um amor.

Quem serei eu depois de tão vil crueldade?

Alguém parcialmente morto também.

Mas livre.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Dicotomia

Eu sonho com o Mar...
Secretos atos
Pequenos fatos
Detalhes parcos
Mar...

A debelar o que poderá ser do que nunca será.


terça-feira, 8 de setembro de 2015

Sobrevoo.

Voa.

E do alto observa,
alheio a toda miséria,
indiferente a dor.

Ele sabe que tudo passa.
Já viu isso antes.
Seus olhos firmes,
a vontade de dizer o que é,
mas a consciência de que é preciso esperar.

Ele voa.

Sábio passarinho.
Já viu de tudo no mundo.
Amores que vem e que vão.

Ele sabe que tudo passa,
Para quem sabe esperar,
a dor vai embora,
porque no final é o amor
que não importa de que forma,

vence.

lá de cima ele observa.
Sábio passarinho,
dos olhos firmes.

Voa.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

ROMA

QUE BELO SENTIMENTO É O AMOR
que me devora as entranhas, rastejando sob minhas veias como vermes famintos.
LINDA COISA É AMAR
e ser consumido em toda a sua alegria até se tornar uma fruta seca e podre ao relento, esquecida entre os outros dejetos.
NADA É MAIS PURO QUE O VERDADEIRO AMOR
que te resseca os pensamentos, atrofia teu cérebro, te torna escravo dos outros, escravo de si mesmo, sem direção, sem vontade.
CELEBREMOS O DOM DO AMOR
enquanto ele esquarteja nossa alma, nos transformando em marionetes ridículas dançando uma valsa fúnebre com um sorriso forçado e sangrento nos lábios, ouvindo as vaias e os insultos de uma platéia infinita.
QUE DOCE É SENTIR O SABOR DO AMOR
e seu veneno lento e viciante, entorpecendo nossos sentidos, fazendo-nos nos humilhar, nos tornar sombras sem vida onde antes havia esperança e felicidade.
APROVEITEM CRIANÇAS, VIVAM INTENSAMENTE E AMEM DESCOMPENSADAMENTE
pois em ópio o sentimento nos retarda, nos torna cegos e medíocres, trapos inúteis, sem vida, sem inspiração, sem arte.
ASSIM É O AMOR
quando ele surge como um intruso no peito, apontando a direção de outro coração o qual não foi tocado por seu brilho.
pois de fato belo é o sentimento...
quando enfim é correspondido.

domingo, 30 de agosto de 2015

A Praga

Arranquem de dentro de mim,
esse sentimento,
Não fui eu quem o colocou aí.
Ele simplesmente brotou,
como erva daninha,
como praga avassaladora,
derrubando os bons frutos,
me consumindo.

Alguém arranque de mim,
já tentei diversos métodos,
veneno e apatia.
Mas só aparo as pontas,
e chamusco suas folhas,
que voltam a crescer aos poucos,
roubando minha paz.

Um sentimento assim enraizado,
que o vento trouxe, ou algum pássaro maldito,
que polinizou meu coração,
como um cupido maligno.
Um duende matreiro,
a se divertir com meu desejo
não correspondido.

Alguém arranque isso de mim,
pois está se alimentando de minhas veias,
com suas raízes vorazes,
sugando minha alegria,
deturpando meus sonhos,
desfazendo meu senso.

Minhas mãos estão sangrando,
de puxar com força seu caule,
resistente, teimoso,
É como arrancar algo de mim,
me mutilar,
Mas não fui eu quem plantou o sentimento.
De onde ele veio, desconheço.

É certo que ele há de me sufocar,
com seu abraço claustrofóbico,
enquanto ouço os risos dos seres invisíveis,
que se divertem com a minha dor.

Ainda que morto ou talvez alquebrado,
preciso matar em mim esse tormento.
Essa felicidade inversa,
essa alegria torta,
que me promete deleite
e só me entrega escuridão.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Ultimum Inopiae (Extremo Querer)

Eu não sou o teu amor.
Eu te amo.
Não clamo teu calor e sofro o frio da tua ausência.
Não tenho nada a oferecer. Sou teu.
Não espero nada de ti, esperança em mim é tormento.
Não culpo teus silêncios mas valorizo teus sorrisos.
Não te quero longe, mas te deixo ir quando quer.
Não me curvo a tua indiferença, mas preservo teu interesse.
Não te cobro carência, não te levo meu choro.
Não te trago pra casa, mas em meus pensamentos tu fizeste morada.
Não te quero inteiro. Apenas em nossos momentos.  
Não te chamo de meu, mas te levo no peito.
Não te imploro o anseio, nem te exijo meu beijo. 
Não espero a hora certa, a hora quando vem, é incerta
Não te toco em público. Em segredo, roçamos, gozamos.
Não te trago dinheiro, te dou tudo de mim.
Não faço promessas, só sussurros de prazer.
Não te protejo de mim. Sou teu predador e tua presa.
Não sou teu bem. Não sou teu mal. Sou teu.
Até onde posso suportar, e mais do que se pode mensurar.
Eu não te amo.
Meu amor

sábado, 1 de agosto de 2015

Tê-lo

Em teu corpo meus olhos encontraram paragem involuntária,
Desejo incontrolável, forjando em mim essa atração imprópria mas tão
Aconchegante e familiar que até poderia jurar que não é de fato escandalosa
E que não me remete aos confins obscuros onde os depravados habitam
Pois envolto em sujo sentimento, meu coração implora um lampejo de esperança
A qual possivelmente lhe será negada nessa vida, onde será julgado e condenado pelo
Mau agouro de amar errado de um jeito certo, a pessoa certa na vida errada.

Então a quem devo prestar conta pelos meus atos?
Poderei ser forte e suportar o preço ou me acovardar em conforto
Sem nunca saber se poderia tê-lo ao menos uma vez
E saber se também sentira o pulso acelerar ao mero toque
A alegria ao som de sua voz,
E o pesar ao vê-lo sair de minha presença?

Serei eu o traidor, ou é o coração que trai?
Estou fora de mim, arriscando minha alma pelo quê?
Que feitiço é esse que me toma, que febre é essa que ataca?
Qual luxúria me mantém entorpecido
A ponto de me perder de mim?

Preso em sonhos secretos
Eróticos e românticos, dosados e medidos em quantidades
Exatamente iguais, obtendo assim um elixir afrodisíaco de
Pura felicidade, satisfação,
E desgraça, ao acordar molhado em suor; pegajoso e excitado
E descobrir que nada fora real.
Por qual crime estou sendo punido?
Quão cruel deve ser minha remissão?
Estou isolado de minha moralidade,
Sei bem da culpa que carrego
Mas o quero tanto, tanto

Tanto que dói, que me rasga o peito,
Que me faz sentir menos que humano
E ao mesmo tempo o mais feliz dos homens
Contradito e desgraçado
Sigo minha sina

De amar e pensar se será possível ser amado.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Camadas

É hora de parar de nos perguntarmos onde podemos melhorar e passar a nos perguntar onde os outros podem melhorar. Ou como nós podemos permitir que eles sejam melhores. E definitivamente não é abaixando a cabeça e assumindo culpas que não são nossas. É hora de mostrar que eles erram também, e que isso não é motivo de vergonha. Se nós apoiarmos essa vaidade, estaremos sim cometendo um erro ao nos tornarmos tão condescendentes a ponto de anular nosso esforço apenas por uma satisfação pessoal e mesquinha do outro. É inútil tentar simplificar a vida de pessoas complicadas. É preciso admitir nossos erros, mas também lutar pelos nossos acertos. 

Nunca nos deixar subjugar por alguém que acredite ser maior do que nós. Todos temos igual e imensa importância. 


quarta-feira, 10 de junho de 2015

Anseio

Nos recônditos da ternura, silenciosa habita a expressão inominável de um sentimento inexplicável, invisível, incompreensível e comum a todos. Aquilo que é o oposto do vazio, aquilo que dá a mão a vontade e impulsiona os dias, dá sentido a eles, e que não é possível de explicar, apenas sentir.

Seu som é semelhante ao de uma breve respiração excitada. 

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Sobre o Irreal

Então a vida te agarra pelo colarinho, te leva pra beira do abismo e te mostra como ele é fundo e escuro. E você acha que é só mais uma lição, e que da próxima vez vai dar tudo certo... Mas não tem próxima vez meu amigo, a vida te empurra abismo abaixo, não importa o quanto você achou que isso não seria possível. E enquanto você cai, todos os seus sonhos e esperanças vão se dissolvendo, deixando um rastro luminoso que se perde para sempre no infinito. E quando chega no fundo, você ainda está vivo, mas é só uma casca vazia, sem forças, sem vontade... Você pensa em recomeçar, mas tudo é tão difícil... Escalar o abismo de novo vai custar o tempo da sua vida, e o tempo está com pressa. Então você está estático, inerte, inútil. Ainda resta um pensamento, uma lembrança dos planos que havia feito, mas ele também se esgota. Tudo o que você idealizou foi desconstruído. Sua vida foi uma ilusão pueril. Só uma faísca persiste... Algo teimoso, uma voz incrédula que diz que você tem que tentar, mas mesmo essa voz deixa transparecer o sentimento da dúvida.
Você perdeu.
Você quer reverter mas não sabe como. Sua mão treme arrastando a terra árida do chão do abismo. Vale a pena se levantar? Não seria a hora de aceitar o fim?
O mundo real é muito diferente do que eu idealizei em meus delírios oníricos, meus devaneios atômicos. O que restaram deles além de palavras esvoaçantes que nunca encontrarão seu paradeiro? 

O que fazer depois da queda?

O que existe depois do fim?

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Ora por um, ora por outro.

Eu estou tentando ser uma pessoa melhor.

Embora cortejado ora por anjos ora por demônios, sou a mistura que me faz ser constituído de barro, trevas, chamas e coração. Algo que define ou tenta definir a complexidade do meu espírito. Somos bons e maus em medidas iguais ou diferentes, justas ou injustas… capazes de atos heroicos e atitudes monstruosas. Somos essa alquimia em constante ebulição, transformando-se e também alterando as rotas dos que nos rodeiam… temos uma bussola (a)moral que as vezes nos mostra o caminho certo e outras nos leva através dos labirintos sombrios da mente… estamos evoluindo, errando, acertando, aprendendo devagar, conquistando pequenas vitórias… amargando grandes derrotas. Não conseguimos agradar a todos o tempo todo, e as vezes nem conseguimos agradar a nós mesmos… somos assim, malditos e benditos; heróis e vilões de nossa própria história, protagonistas de pequenos dramas remendados nessa grande epopeia que é a vida.

Grandiosos em nossos sonhos infinitos.

Ínfimos em nossas pretensões megalomaníacas.

Somos seres humanos.

Nós continuamos tentando.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

APOCALIPSE (A velha profecia).

Houve um tempo em que tudo era infinito e o futuro estava ao alcance do próximo passo. Mas tudo bem, o universo continua igual, só a nossa percepção dele mudou. E só porque é diferente não quer dizer que também não seja bonito, ainda que venha com esse amargo na garganta e a sensação de que algo precioso e insubstituível se perdeu para sempre.

Está tudo bem. Nada foi desperdiçado. Todo erro foi válido. Toda falha foi precisa. A descoberta da essência humana em sua diversidade.  O encontro com o ódio, o coração em chamas, as lágrimas invisíveis e o abraço com o perdão no afago da paz.

Hoje estou cansado, eu peço asilo. Não derrotado ou morto, apenas resignado. Só preciso me repor, respirar, saborear sem pressa os tons da minha alma.

Já faz tempo, aprendi a perdoar aos outros e a mim.  


E ser meu próprio Santuário.  

terça-feira, 21 de abril de 2015

DEDOS SUJOS DE TINTA

Sonho como tinta negra sobre a tela branca.
Borrões de devaneio ondulam pelo vazio e estou em todos os não lugares que um dia serão imaginados. As cartas rasgadas se remontam como um quebra cabeças reverso. A imagem que revela é pintada com a mesma tinta preta. Um espelho. Toco sua face, minha mão é a chave que o destranca. Então adentro o infinito oposto de seu interior. Vejo tudo o que haveria do outro lado, mas ao inverso. Como uma sombra que imita o molde, como uma imagem refletida em um lago. Mas a imagem ganha vida e descubro que eu é que era o reflexo.
Meus dedos estão sujos de tinta. Ela escorre pelas minhas unhas criando novos mundos abstratos. As pessoas que me olham com espanto estão sonhando. Estou no sonho delas ao mesmo tempo em que sonho o meu próprio? Existe uma porta que conecta os sonhos? Não... não uma porta. Um espelho.
Um espelho d´agua em um lago negro de tinta.
A tinta que compõe os sonhos.
A própria tinta da criação.

A PORTA

Estou nas terras do sonho e não sei como aqui cheguei.
A um estranho que avisto eu pergunto: “Onde é a saída”? e ele responde: “Você quer uma porta? Apenas uma porta existe. Aquela pela qual você entrou”.
“Mas não me lembro de ter passado por porta alguma”! – retruco. “Então, meu amigo” – ele continua “comece pela chave”.
Então me perco pelos labirintos infinitos, sou puro pensamento elétrico, percorro a imensidão da existência em segundos e me pergunto como ela pode ser tão pequena. Em tudo o que há, vislumbro um sem número de tudo o que pode existir. Mas não há chaves nem portas. Não há uma janela sequer.
Então me volto para mim.
Essas são as terras do sonho, e eu aqui sozinho cheguei. Não encontrei nenhuma porta ou chave, mas uma porta aqui existe, foi o que me disseram.
A porta pela qual eu entrei.
Fecho meus olhos e enxergo a mim. E eu a vejo: a chave!
Eu destranco a porta e minhas pálpebras se abrem.

Então acordo.

O REPOUSO DO GUERREIRO

Ele brincou com forças primordiais, tentou apurar a quintessência dos sentimentos, misturar a alquimia da amizade e lidar com a correnteza das emoções. Foi frágil sob sua falsa armadura impenetrável, precisou sentir alguma coisa, qualquer coisa, algo que fizesse sua vida fazer sentido. Criou vínculos e montou os blocos imaginários, não de uma armadura, mas de uma fortaleza impenetrável, ainda que ilusória, onde sentiu-se seguro, acolhido...
Adormecida sob sua fragilidade, estava a fonte de onde brotou sua alma, que lhe concedeu inspiração para mudar a realidade, o poder para brincar com as regras básicas do universo, testar novas reações químicas e emocionais que o trouxessem satisfação pelos atos, um sentido para isso tudo... que o fizeram sentir-se vivo.
E depois de tanta dor e tanta perda, ele encontrou seu local de repouso e calmaria. Um local sem mais disputas, sem ressentimento ou dor.
Apenas perdão.
Purificação.
Ele venceu todas as guerras, derrotou todos os demônios. Salvou a donzela e foi salvo por ela. Cavalgou tempestades e domou dragões. Tomou decisões erradas, cometeu erros imperdoáveis. Matou, roubou. Mudou a história. Seu nome foi esquecido. Morreu.
E tudo valeu à pena.

O Guerreiro está em paz.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Desententer

Às vezes eu fico um pouco cansado de não ser entendido, muito embora eu faça a maioria das coisas que faço sem precisar do entendimento alheio. Por não ser condicionado ao normal básico e corriqueiro, eu pago o preço; não sou entendido e as vezes em vão, tento desfazer o mal entendido, mas me pergunto se vale à pena; quando eu dou o meu melhor e ofereço mais do que recebo, e em troca apenas tenho zombaria e desprezo.
Eu busco o entendimento de mim e é isso que me importa. Se nem eu me entendo, como poderia me explicar? Talvez ninguém deva ou possa. Quem conhece e entende de fato o âmago de alguém?
Não quero ser entendido, basta que cada um entenda a si próprio e perceba que não é preciso entender, basta ser e sentir.
E talvez isso seja em algum nível entender.
Só não me joguem pedras, nunca fui normal.
Existe um lugar onde ser estranho é o modo natural.
Nesse lugar, a loucura deverá ser questionada e confrontada.
Pois nenhuma normalidade deve prevalecer.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Search

Hoje eu procurei no Google por "Bondade", "Calor Humano" e um "Bom Coração". Adivinha só! Achei! Estava tudo lá, com belas imagens e acompanhadas de mensagens positivas e frases de efeito para nossa "reflexão".
Então, até onde o conexão humana consegue se expandir e alcançar novos horizontes? O que nos faz sentir essa necessidade ridícula por carinho e afeto? A necessidade em si é ridícula, ou ridículo é mendigar esses sentimentos, vestindo palavras e sorrisos usados apenas como fachada?
Até no Google tem amor. Eu quero acreditar nas pessoas, amedrontadas, egoístas, cruéis. E mesmo assim capazes de coisas adoráveis. "Bondade", "Calor Humano" e um "Bom Coração".
É mais fácil rir do que apoiar. Excluir ao invés de agregar. Não sentir afeto, ou pior, sentir afeto demais e não saber lidar com isso.

Desculpem, foi só um dia ruim.

quinta-feira, 5 de março de 2015

e o que mais?

o peso dos dias
a marcha inexorável das manhãs
o desejo incontido
a beleza negada
a rigidez das ruas
os olhares secretos
o embuste dos parcos sorrisos

domingo, 1 de março de 2015

Metódico

me vejo estático/ movimento tático/ efeito nulo
parede e muro/ mudo eu saio/ olhar soturno
sem voz ensaio/método vago/ luz ao fundo
delírio procuro/conforto em plástico/sexo seguro
solitário escuro/ leitura tátil/ aceito o insulto
encontro o fundo/ permito o luto/em mim recaio
sereno eu luto/sou só um vulto/ perdão eu trago
eu me proponho/talvez em sonho/ ser meu carrasco
no fim de tudo/ combato o sono/depois desmaio

sábado, 27 de dezembro de 2014

Crença

Eu poderia até acreditar...

...e me esquecer que sou matéria se desfazendo no ar; pensamentos e desejos em vão alterando o rumo do caos e marchando irremediavelmente de volta à matéria prima que vim. E quando no pó das estrelas chegar, me espal
har em lágrimas cadentes de uma noite qualquer no universo; corpos celestes a cair vertendo saudades e contentamento.
Eu poderia até acreditar no amor, se ele soubesse me enganar. E me fizesse perder-me em sonho. Morrer não seria opção, pois estaria ausente de carne, em inexorável estado de graça, simultaneamente vasto ao infinito e simples como um grão, compondo o que quer que seja o que virá.
Do esquecimento até o início, ao ponto de quase nem ter existido. 
E ainda assim ter feito toda a diferença.

Eu poderia até acreditar...

Misterioso Sexo

O quanto eu poderia idealizar ou romantizar esses seres sem nunca sabê-los nessa vida? Para o bem, para o mal... ou além desses conceitos? Amorosos ou indiferentes? Amigos? Soldados?
Seres de luz, espíritos, gênios, vozes em nossa consciência. Decaídos demônios. Inversões morais. Sombras nas trevas. Luzes no clarão. Protetores, guardiões, servos de Deus. As justas ferramentas da Vontade Divina. Guerreiros. Sem sexo. Sem arbítrio? Arquitetos do destino. Mensageiros de sonhos. Pilares do Universo.

Quem são os Anjos?

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Ouroboros.

Quem nunca beirou cambaleante à beira da eternidade?
Quem nunca cortejou as sombras em momentos de insanidade?
Quem nunca se descompassou, ao desviar-se  da realidade?
Quem nunca logrou forças frente à própria vaidade?
Quem nunca questionou a si se é mesmo tudo verdade?
Quem nunca procurou alguém, buscando sua metade?
Quem nunca sabotou a mente em busca de tranquilidade?
Quem nunca ousou dizer tanta barbaridade?
Quem nunca se rendeu aos pés de alguma santidade?
Quem nunca idealizou o fim da virgindade?
Quem se entregou a própria obscenidade?
Quem nunca enlouqueceu em sua imaturidade?
Quem nunca aprofundou a interna infelicidade?
Quem nunca escreveu versos avesso a sobriedade?

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Expedição Dimensional.

Sou uma energia invisível encarnada em conexões nervosas, tecido, pele, carne e ossos, conduzindo e habitando esse receptáculo corpóreo, a máquina que me permite explorar o mundo físico, o mundo material.
Sou um explorador. Um viajante. Um aprendiz. Vim de longe e de perto, percorri distâncias impossíveis para alcançar o lugar onde sempre estive.
Vim do local de origem da vida, o qual muitos acreditam ser o seu fim. Vim dos mundos misteriosos separados desta realidade por um fino véu. Vim do local de nascimento, a fonte da vida, a eternidade que alguns chamam de morte.
E na morte regressarei.
Só na morte farei a derradeira viagem de volta.
De volta ao início, onde a vida surgiu.
E essa expedição perigosa, essa aventura linda e aterradora chamada de VIDA terá enfim se concluído.

Escudo.

Transfigurado pelas sombras vou, tentando não deixar de ser quem era
INÚTIL resistir ao seu chamado,
Todos temos sombras dentro de nós, só não queremos saber
Esquecer é melhor do que tentar
Enfrentar o medo de descobrir quem se é
INÚTIL evitar o seu toque,
Quando algo em sua mente se agita
Quando tudo o que se pensa são vultos
INÚTIL renegar nossa forma
Mesmo que seja escusa, mesmo que não tenha glória
Transfigurado pelas sombras vou
Refletindo um estranho no espelho
Esperando pela hora sagrada
INÚTIL
Reluzir tais sentimentos,
Enganando a si mesmo
Desejando ser melhor
Fútil esperança
INÚTIL

Ansiedade.

E quando o cansaço se apresenta de modo a castigar o corpo e não deixar a mente ceder, te obrigando a suportar lúcido seus fantasmas?

Às Cegas.

Existem dias de amaldiçoada lucidez onde nos damos conta que não temos nenhum controle sobre as nossas vidas e apenas na embriagues da ignorância somos felizes.

sábado, 26 de julho de 2014

Para os Amigos

Essa é para todos os meus amigos. 

Um texto meio longo, para explicar algumas verdades bem simples. 

Impossível descrever aqui todos os nomes dos meus amigos verdadeiros... mas eles sabem o quanto são imprescindíveis para mim... provavelmente eu nem estaria aqui se não fosse por alguns deles... sou muitos feliz por ter pessoas que me compreendem e aceitam... e não deixo de ter uma pontinha de tristeza por alguns que se afastaram devido a inexplicável complexidade humana e sua mania de guardar os sentimentos em caixas de papelão em algum sótão escuro e empoeirado da mente. Mesmo aqueles que por algum motivo se afastaram e eventualmente desejam meu mal... saibam que só retenho os momentos bons e isso vai prevalecer no meu coração. Do erros que cometi, pois em meio aos caminhos eles aconteceram também, peço que entendam que nunca foi minha intenção provocar o mal. Estou aberto e livre para perdoar o que puder ser perdoado, mas mais sábio e reticente quando ao quanto devemos nos entregar numa amizade. Amigos de hoje, amigos que foram e novos amigos que serão... cada um de você monta um pedaço da minha história e da minha vida. Obviamente não tenho nenhum controle sobre os sentimentos alheios, mas da minha parte, não desejo o mal a quem por ventura tenha me prejudicado... talvez apenas uma distância necessária, o tempo que for preciso para curar as feridas. Sou otimista, acredito em segundas chances. Mas não sou mais tão ingênio em aceitar passivamente as palavras duras de quem eu sempre quis apenas o bem;
O tempo cura tudo, mas algumas coisas não precisam ser curadas, talvez apenas ajustadas para que os erros do passado não voltem a machucar mais ninguém. Mesmo de longe desejo paz e felicidade a todos... sei que errei muito também, e devo continuar errando porque cada dia é um dia diferente e os sentimentos humanos então em uma constante corrida em busca do auto conhecimento. Os pequenos detalhes, as pequenas inconveniências a qual sou submetido... prefiro ignorar e seguir em frente, transformar palavras insensatas em conflitos vai machucar mais a mim mesmo que outrem. Sei que sempre discordaremos, teremos diferenças, mas sei que existem pessoas das quais meus meus ouvidos são imunes a palavras ásperas, porque eu escolhi ser seu amigo. Brigaremos as vezes, mas no fim, estaremos bem. Isso é amizade afinal, confronto, batalha, uma eterna luta para nos certificar de quem gostamos estará bem. Só tenho a agradecer a Deus pelos amigos que fiz, e torcer para estar à altura dessa amizade, burlando meu próprio egoísmo, minha própria mesquinhez. Me desculpem pelas palavras mal ditas, e pelas vezes que provavelmente magoei cada um de vocês, sem intenção. Pelas brincadeiras inocentes que ganham proporções inesperadas... desculpem por quando eu falo demais, quando sou insensível... ou quando eu falo de menos, sendo mais insensível ainda... quem me conhece sabe do meu jeito de ser, mas independente de tudo guardo meus amigos verdadeiros em mais alta conta.... Sei que me alonguei nesse texto... obrigado para os que conseguiram chegar até o final...obrigado por cada palavra amiga, por cada ato gentil, por menor que possa parecer. Eu não saberia viver sem meus amigos, seria outra pessoa, seria triste. Obrigado a todos por estarem aí, perto ou longe, reais ou virtuais... que essa amizade contorne os caminhos tortos e nos encontremos no fim da estrada dos momentos memoráveis e felizes.

sábado, 12 de julho de 2014

Lacunas

Muitos espaços vazios para preencher.

O que eu preciso para ocupar essas lacunas é:

SOL

CAMINHADA

CHOCOLATE

PIADAS

[EVENTO CENSURADO]

LEITURAS DIVERSAS

PRODUÇÃO DE TEXTOS

SÉRIES DIVERSAS

BRINCAR COM MEUS GATOS

FILMES

[EVENTO CENSURADO]

JANTAR ROMÂNTICO

VINHO

[EVENTO CENSURADO]

DESCANSO

[EVENTO CENSURADO]

INSPIRAÇÃO

SONHOS MALUCOS

ESCRITAS ALEATÓRIAS

[EVENTO CENSURADO]

DORMIR

ACORDAR

[EVENTO CENSURADO].