segunda-feira, 3 de abril de 2017

Como insetos em volta da lâmpada

Ódio
Ódio eu sinto de mim por me deixar enganar, me deixar seduzir pelas vão palavras doces e olhares insinuantes, me fazendo acreditar que era especial e não só um brinquedinho nesse jogo sujo da conquista. Essa guerra interna que algumas pessoas fracas de espírito usam para enaltecer o próprio ego e estraçalhar os sentimentos dos infelizes que cruzam o seu caminho.
Ódio dessas pessoas covardes que se escondem atrás de seus próprios algozes, incapazes de romper as amarras que fazem deles marionetes daqueles que os odeiam, mendigando por restos de aceitação.
Ódio desses infelizes que irão amargar uma vida de frustrações, vivendo como marginais nas sombras, nunca tendo a mínima noção dos prazeres de ser quem se é.
Ódio. Pena. Desprezo. Indiferença.
Quem me dera esquecer que esses arremedos de seres humanos cruzaram o meu caminho.